Maternidade e trabalho 07 de maio de 2019

Maternidade e trabalho

07 de maio de 2019

Muitas mulheres se veem após, a maternidade em um grande conflito.

Agora, são mães tem um novo SER a quem dar conta e a partir do nascimento, se dedicam inteiramente ao seu Bebê. Estas mulheres passaram por muitas transformações, desde físicas, hormonais, emocionais e comportamentais. O Medo e a insegurança permeiam neste processo de constituição de seu novo Ser. E, agora se tornaram Mães, mais um papel para que esta mulher dê conta. Muitas vezes, este papel é carregado de culpa, sem manual de como deve ser feito.

Pixabay at Pexels

Os meses se passam, e esta Mãe, quer dar voz ao seu papel de Mulher. A mulher que atua no mercado de trabalho, que tem a sua individualidade e reconhecimento social. Sim, social, pois um dos maiores medos e dilemas são desta mulher se perder e ter a sua identidade apagada.

Esta nova Mulher muitas vezes, não se reconhece e quer resgatar a mulher de antes. Mas esta mulher passou por uma grande transformação. E agora, vivência uma grande dúvida e se pergunta: Será que é possível conciliar o seu trabalho com a maternidade?

Será que estou pronta para atuar como antes, da forma que o mercado exige?

A quem vou delegar o papel de mãe? E como fica a maternagem?

Será que é possível, abrir mão do trabalho e cuidar do meu filho?

Muitas delas, não têm escolha, precisam retornar ao mercado, da forma que ele se configura.

Não sou mais aquela de antes…

Não quero retornar, mas vou ficar em casa?

Para outras, voltar ao trabalho, se torna uma processo de retomada de sua própria identidade perdida, onde tem nome e lugar definido, permitindo assim, coexistir na sociedade. Muitas delas abrem mão de seu trabalho e se dedicam integralmente a criança, passando por um novo processo de reconhecimento de si mesma.

É possível vivenciar uma maternidade real, com menos culpa e mais leveza, respeitando cada momento, contribuindo para o desenvolvimento de uma criança emocionalmente saudável.

Empodere-se, se informe, busque uma rede de apoio, a qual tenha liberdade para conversar e expor o que sente. E por fim, confie em si mesma.

Com carinho,
Jaqueline Oliveira – Psicóloga –CRP: 05/36475,
Coach e Educadora Parental certificada em Disciplina Positiva.
Mãe do Pedro e da Maria Luísa.


Jaqueline Oliveira


Deixe seu comentário